Erosão

Exposição

No alvorecer de uma certa manhã, no ano de 1707, o padre Belchior de Pontes despertou de um sonho intranquilo, o sonho na verdade, converteu-se em um vaticínio. O padre jesuíta, morador da Vila de São Paulo, profetizava que, tão logo, a ira dos céus se abateria sobre as Minas e desaconselhava os seus a não empreenderem a viagem - “não fosse às minas, mas no caso em que se resolvesse a ir, que não estivesse lá no tempo das águas”(FONSECA, 2005, apud ROMEIRO, 2008). A profecia passou desapercebida, e ao longo do século, movidos pelo rumor da existência da lendária serra do Sabarabuçu, uma montanha reluzente de prata e pedras preciosas, o equivalente a uma Potosí na américa portuguesa, infiltrou-se no imaginário colonial, tornando-se um desígnio. A serra nunca foi encontrada, mas nos anos seguintes outras gerações de colonos haveriam de descobrir ouro nos sertões das Minas. Dar-se-ia, assim, início ao ciclo extrativista, moldando a psicosfera da sociedade que dali se originou.

 

Erosão é um projeto desenvolvido nas cidades de São João del-Rei, Santa Cruz de Minas e Tiradentes, na região que compõe a bacia hidrográfica do Rio das Mortes. O projeto pesquisa as heranças geológicas e culturais deixadas pelos processos de extrativismo mineral durante o ciclo do ouro, no século XVIII, correlacionando com as dinâmicas contemporâneas de ocupação desse espaço. A pesquisa transita pelo território historicizado e pelas suas iconografias paisagísticas, seja pelas gravuras produzidas por viajantes no início do século XIX, seja pelas mitologias geográficas surgidas desde as primeiras povoações/invasões europeias e paulistas na região. 

 

Durante a execução da pesquisa foram visitadas paisagens impactadas pelo desmatamento e pela expansão urbana. Áreas de pastagens que se tornaram empreendimentos imobiliários, loteamentos que avançam em locais suscetíveis ao desmoronamento e sobre territórios de APP (Área de Preservação Permanente), terrenos marcados pelo manejo irregular dos solos, lagoas soterradas na cabeceira do rio, voçorocas e ravinas em constante estado de expansão. As imagens contidas nesse projeto buscam, dessa forma, narrar um fenômeno que se processa em uma lógica de mercantilização/colonização secular do território.   


 

+

*

*A  3ª imagem, por ordem de aparição, é uma colagem digital baseada no mapa da província de Minas Gerais, extraído do livro Notices of Brazil in 1828 and 1829, do clérigo Robert Walsh (1772 - 1852). 

**A  6ª imagem, por ordem de aparição, é de ano e autoria  desconhecida, trata-se de uma fotografia histórica de uma bêta, uma entrada subterrânea de antiga mina de ouro no município de São João del-Rei. A imagem foi gentilmente cedida pelo Museu Regional de São João del-Rei.

***A 17ª imagem, por ondem de aparição, trata-se de um fragmento de aquarela do livro Malerische Reise in Brasilien - Viagem Pitoresca no Brasil (1835), do pintor Johann Moritz Rugendas (1802-1858)


 

Agradecimentos 

André Frigo

Adriana Nascimento 

Ana Pi Videira

António Proença

Patricia Baccarini

José antonio da Silva

Fillipe Margotti (Xuxu)

Isis Bey 

Sérgio Gualberto Martins

Camila Siccarini

Luiz Gustavo Carvalho

Maria Vragova 

Priscila Natany 

Maria Clara Ferrer 

Kauê Rocha 

Maria Vaz

Wanderlea Conceição Batista

Alisson Santos

Fernando Resende

Bruno Ramos 

Mariana Pinter Chaves

Museu Regional de São João del-rei

 

Audiodescrição #ParaTodosVerem

Texto / Apresentação

Exposição - sobre as imagens